livmealone_ (livmealone_) wrote,
livmealone_
livmealone_

  • Mood:
  • Music:

Rain drops (and memories) are fallling on my head

 
*foto roubada do Duas Fridas - nos links ali do lado, vale a pena!


Então, o Rio de Janeiro tá parecendo São Paulo com essa chuva interminável e chata (principalmente pra quem estuda há 2 horas de casa - sem carro - e fica andando na rua o dia inteiro), e dias de chuva me fazem pensar, já que te impedem de fazer qualquer outra coisa mais legal (nem olhar pela janela do ônibus a paisagem da Grajaú - Jacarepaguá dá!). 
E eu pensei, pensei, e pensei, até que caiu uma lembrança no meu colo, diferente de todos os meus outros pensamentos, do nada, como se alguém tivesse jogado alguma coisa em mim e tivesse me acordado: o dia em que uma menina do colégio, no 1o ano, foi lá na minha sala propor que a série se unisse pra fazer uma festa de confraternização num salão de festas infantil, com todo mundo se vestindo de criança. É. E daí?
Pois é, daí que depois dessa primeria, várias outras lembranças desse mesmo tipo "e daí", inúteis, começaram a surgir, tipo um bombardeio de momentos que não eram pra ser tão memoráveis e que por algum motivo desconhecido da psicanálise (ou não, talvez Freud explicasse, né) eu guardei com todos os detalhes, como se fossem momentos cruciais da minha vida: no C.A, quando por algum motivo eu chamei a minha amiga de "cachorra", por desconhecer qualquer outra ofensa (eu lembro do meu esforço pensando pra achar uma boa ofensa); quando eu sentei, na 5a série, no meu colégio novo, do lado de uma menina chamando-a pra andar comigo e conhecer as pessoas (eu nunca mais falei com ela, nunca); quando minha professora de ciências, nesse mesmo ano, ensinou rochas (?????);  quando eu tava no carro com o meu pai, indo pra minha 2a chamada de matemática, e começou a tocar uma música do Paralamas daquele primeiro cd que eles lançaram depois do acidente do Hebert, e do meu pai comentando: "livia, presta atenção nessa música, ela muda de ritmo toda hora, é muito legal"; e enfim, mil outras coisas mais completamente inúteis que eu não vou ficar falando aqui pq não quero que pessoas aleatórias fiquem sabendo mais da minha vida do que já sabem (presumindo - e não acreditando, veja bem, duas coisas diferentes -, claro, que alguém além de mim sabe que essa página aqui existe).

E o engraçado disso tudo é que depois, parando pra pensar mais (lembre-se: tá chovendo, e eu não tenho nada melhor pra fazer), eu percebi que quase não lembro de momentos que teoricamente seriam mais importantes e marcantes pra uma pessoa normal, tipo a vez que eu fui pra Disney (eu tinha 8 anos, mas eu lembro de coisas inúteis dessa época, a idade não poderia ser uma desculpa nesse caso) ou a minha festa da Pocahontas que todas as pessoas da minha família me dizem que foi a festa que eu mais curti de todos os tempos (dessa época, por exemplo, eu só lembro de uma capa de chuva, uma camisola e uma espuma de banho da Pocahontas que eu tinha: memórias inúteis). 

De repente, o meu reservatório de memórias inúteis é infinitamente mais desenvolvido do que o meu outro de memórias memoráveis (uma simpática redundância). Será que as outras pessoas sequer lembram de coisas inúteis assim, que nem eu? Boa questão pra ser respondida antes de morrer.
Bom, ainda bem que pelo menos eu ainda tenho boas e importantes memórias clichês, tipo o meu primeiro beijo ou a minha primeira nota abaixo de 7,0. Ainda bem. 


Subscribe
  • Post a new comment

    Error

    default userpic
    When you submit the form an invisible reCAPTCHA check will be performed.
    You must follow the Privacy Policy and Google Terms of use.
  • 0 comments